FONTE: Por GloboEsporte .

Há cinquenta anos, Carlos Alberto Torres, o capitão de uma seleção que muitos consideram a melhor de todos os tempos, ergueu a Taça Jules Rimet. Era a terceira vez que os brasileiros celebravam a conquista, e, assim, puderam definitivamente dizer que a Taça do Mundo era nossa.

O escrete brasileiro se classificou para a Copa de 1970, no México, com uma campanha impecável. Com números expressivos, o time ganhou o apelido de “As Feras do Saldanha”, e tudo ia bem até às vésperas do torneio, quando o treinador foi demitido por divergências com a CBD.

arte eliminatorias - infoesporte
arte pra frente brasil - infoesporte

Composta por Miguel Gustavo, autor de diversos jingles de sucesso, a canção “Pra frente, Brasil”, que inspirou o time na busca pelo título, surgiu de um concurso promovido pelos patrocinadores da transmissão dos jogos na televisão. A letra citava o tamanho da população do país na época: 90 milhões. Hoje, passamos dos 200 milhões de brasileiros.

arte vitrola - infoesporte
arte os convocados - infoesporte

Com a saída do técnico João Saldanha, quem o substituiu foi Mário Jorge Lobo Zagallo, bicampeão mundial como jogador, que iniciara sua carreira de treinador quatro anos antes, em 1966. Todos os 22 convocados pelo Velho Lobo atuavam em times brasileiros. Ao todo, onze clubes cederam craques para a formação do time tricampeão.

arte convocados - infoesporte
arte convocados - infoesporte
arte muitas novidades - infoesporte

A Copa de 1970 foi a primeira a ser transmitida ao vivo e em cores para o mundo todo, via satélite. É bem verdade que a imensa maioria dos brasileiros ainda possuía aparelhos em preto e branco e, pensando nisso, a Embratel promoveu exibições dos jogos em locais públicos em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, para que os torcedores tivessem acesso à nova tecnologia.

arte televisor - infoesporte

E a transmissão não foi a única inovação que o mascote Juanito presenciou. Pela primeira vez se usou uma bola branca em Copas, a Telstar, e os árbitros passaram a mostrar cartões amarelo e vermelho para advertir os jogadores. Substituições de atletas também passaram a ser permitidas no decorrer das partidas. Toda essa aura de modernidade ficou clara no cartaz oficial com design mais gráfico e tipológico e nas peças impressas supercoloridas, como programas e ingressos.

arte mexico - infoesporte
arte os participantes - infoesporte

As 16 seleções (metade do número de participantes em 2018) foram divididas em quatro grupos, nos quais os dois primeiros colocados se classificaram para a fase seguinte, as quartas de final. Os times que chegaram à final e à disputa pelo terceiro lugar da competição disputaram seis jogos.

arte participantes - infoesporte
arte camisas 10 - infoesporte

Um dos grandes méritos de Zagallo foi juntar jogadores que ocupavam a mesma faixa de campo e que vestiam a mesma camisa 10 em seus clubes. Com praticamente cinco homens de criação, os jogadores do setor ofensivo mudavam de posição com uma frequência incomum à época, confundindo os adversários. O 4-3-3 do Velho Lobo fez dele o primeiro campeão em Copas do Mundo como jogador e treinador.

arte campinho - infoesporte
arte campanha - infoesporte

O Brasil obteve 100% de aproveitamento nos seus seis jogos ao longo da competição, mas se engana quem acha que foi moleza. Os ingleses, campeões de 1966, e os romenos fizeram jogo duro, e as vitórias vieram com somente um gol de diferença. Em compensação, houve três inesquecíveis partidas nas quais a Seleção marcou quatro gols em cada. Uma delas, na final contra os italianos.

arte campanha - infoesporte
arte copa de pele - infoesporte

O título no México era uma questão de honra para Pelé. Caçado em campo em 1966, o Rei amargou a frustração de não conquistar o tricampeonato na Inglaterra. Antes da Copa de 1970, muito questionado, era considerado longe da forma ideal, mas quem é Rei nunca perde a majestade. Com apenas 29 anos, Pelé tornou-se o primeiro, e até hoje único, jogador tricampeão mundial da história. Seus números finais na competição não deixam margem para dúvidas.

arte copa de pele - infoesporte

Pelé foi quem mais finalizou na Copa entre os brasileiros. Ele balançou a rede quatro vezes, uma delas na grande final. No entanto, quatro gols que o Rei não fez são tão ou mais lembrados que os quatro marcados. O motivo é simples. Foram momentos de pura genialidade, que só o maior jogador de todos os tempos seria capaz de executar.

brasil 4 x 1 tchecoslovaquia - infoesporte

O primeiro foi logo na estreia, contra a Tchecoslováquia. Percebendo o goleiro Ivo Viktor adiantado, Pelé chutou do seu próprio campo tentando encobrir o adversário. A bola não entrou por um triz.

campinho tchecoslovaquia - infoesporte
arte brasil 1 x 0 inglaterra - infoesporte

O lance seguinte aconteceu no segundo jogo, mas desta vez o personagem principal não foi o brasileiro, e sim o goleiro Gordon Banks. O arqueiro inglês fez uma defesa espetacular, considerada a mais bonita da história das Copas, após uma cabeçada de Pelé.

campinho inglaterra - infoesporte
arte brasil x uruguai - infoesporte

Os outros dois lances vieram na semifinal contra o Uruguai, e logo em cima de Ladislao Mazurkiewicz, o melhor goleiro da competição. Após um tiro de meta mal cobrado pelo uruguaio, Pelé chutou de primeira, quase no meio de campo. Mazurkiewicz, no entanto, se recuperou e fez boa defesa.

campinho uruguai 1 - infoesporte

Pouco depois, com um drible de corpo, Pelé passou por um lado do goleiro e deixou a bola ir pelo outro, para concluir desequilibrado. Desta vez foi a sorte que salvou Mazurkiewicz, com a bola passando a centímetros do gol.

campinho uruguai 2 - infoesporte
campinho uruguai 2 – infoesporte
arte taça do mundo nossa - infoesporte

Taça Jules Rimet, uma bela estatueta concebida pelo artesão francês Abel Lafleur, permanecia com os países campeões da Copa do Mundo desde a primeira edição do torneio, em 1930. A posse definitiva do troféu caberia à seleção que chegasse primeiro a três conquistas. Brasil e Itália, finalistas em 1970, possuíam dois títulos cada e duelaram para ver quem levaria aqueles quase quatro quilos de ouro para casa. Com uma partida impecável, os brasileiros ganharam o direito de incluí-los em sua bagagem.

arte taça - infoesporte

Treze anos depois, um grupo de ladrões levou a sério demais os versos da marchinha que diz que “a taça do mundo é nossa” e invadiu a sede da CBF na Rua da Alfândega, no Rio de Janeiro, roubando e derretendo o troféu. No atual mercado brasileiro, quatro quilos de ouro valem perto de R$ 500 mil, mas o valor histórico e sentimental da conquista dos nossos atletas é incalculável.

arte barras de ouro - infoesporte

Design: Claudio Assis e Tarso Moura
Apuração e texto: Fabio Penna e Mario Leite

Digiqole ad

Samuel Moreira da Silva

http://www.kadaesportes.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *